(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

11 de março de 2016

A arte nas Caricaturas

   Muito antes do expressionismo, já existia uma forma de explorar as impressões da alma que seriam as características da face, as conhecidas hoje como, caricaturas.

  Algumas pessoas confundem caricatura com desenhos realistas, é, eu sei, não tem nada haver uma coisa com a outra, mas ao se depararem com o desenho de alguém, por mais realista que seja, acham ser uma caricatura, e de fato essas "pessoinhas" não estão tão erradas, pois a caricatura surgiu exatamente com este propósito, de desenhar alguém, só que, ao invés de ser uma cópia idêntica, na caricatura os traços são mais exagerados para ser uma imagem engraçada e distorcida  da pessoa, então mãe, eu te desculpo por chamar meu trabalho de caricatura, porque mais uma vez tu acertou, eu faço caricaturas hoje de tanto que tu falava que meus desenhos realistas eram caricaturas.

 Atualmente muito comum de ver em jornais, revistas ou na TV, as caricaturas retratam algum político de forma burlesca ou algum famoso em uma forma engraçada e exagerada, fora da realidade, se tornando uma chacota.




  O termo CARICATURA surgiu em 1646 para nomear os desenhos satíricos de Agostino Carracci que as pessoas acham ser o primeiro a criar caricaturas, mas ele que era primo do Annibale Carracci, o pioneiro na história da Arte em utilizar caricaturas.
 Aqui no Brasil o pioneiro é Manuel de Araújo, que em 1837 publicou em um jornal o desenho irônico de seu inimigo.





    Fazer um caricatura é descontrair, desenhar sem precisar de técnicas e muitos traços e o foco principal é o humor. Existem também as charges, são aquelas historinhas curtas com personagens caricatas, tem o mesmo propósito que as caricaturas, só que na maioria dos casos, as charges são críticas e nem sempre os personagens são inspirados fisicamente em alguém que existe, pode ser um desenho totalmente inventado, mas o objetivo é de imitar ou de falar de alguém que exista.





Embora criar uma caricatura é ter liberdade para brincar e deixar engraçado, eu não costumo exagerar tanto, eu deixo a graça em fazer um corpo menor que a cabeça do personagem e o máximo de mudanças que faço é uma boca maior, nariz ou alguns objetos.